Aspectos Clínicos

Por Dra. Luiza D. Perini
Médica, Especialista em Gastroenterologia

A Pancreatite Aguda é uma doença gastrointestinal comum em todo mundo. A incidência atual de 5 a 30 casos por 100.000 pacientes, vem aumentando devido ao aumento das taxas de obesidade e cálculos biliares. 

As causas mais comuns de Pancreatite aguda são os cálculos biliares e o álcool, que juntos representam 80% dos casos. Como a vesícula biliar e o pâncreas compartilham o mesmo ducto de drenagem, os cálculos biliares que se alojam nesse ducto podem impedir o fluxo normal das enzimas pancreáticas e desencadear a pancreatite aguda. 

O restante dos casos de pancreatite aguda ocorrem por causas menos comuns, incluindo hipertrigliceridemia (triglicerídeos aumentados), medicamentos, tumores, procedimentos cirúrgicos (colangiopancreatografia retrógrada endoscópica, pós operatório de cirurgias abdominais e cardíacas), trauma abdominal, fibrose cística, pancreatite hereditária, infecções por vírus, bactérias, fungos ou parasitas e pâncreas divisum (anormalidade anatômica). Tabagismo pode também aumentar o risco de pancreatite por mecanismos que não são claros e podem potencializar os danos ao pâncreas induzidos pelo álcool.

A pancreatite aguda pode ser classificada clinicamente em pancreatite aguda leve, moderadamente grave ou grave. A maioria dos casos (cerca de 80%) são leves e o paciente normalmente evolui bem, sem complicações.  Já na pancreatite aguda grave, que representa 10-20% dos casos, estão presentes sinais de falência persistente de outros órgãos como hipotensão arterial (pressão baixa), insuficiência respiratória, insuficiência renal, hemorragia e necrose do pâncreas.  Esses casos são graves e podem apresentar complicações como necrose, abscesso e pseudocisto no pâncreas.

Os principais sintomas relacionados a pancreatite aguda incluem dor abdominal localizada no andar superior do abdome, em faixa, irradiada para as costas, frequentemente acompanhada por náuseas e vômitos. 

A doença varia em severidade e os sinais clínicos presentes podem variar desde febre, desidratação, taquicardia até hipotensão arterial, choque e coma. Ao exame pode-se ter dor leve a intensa a palpação do abdome e pode aparecer de forma mais rara, sinais como hematoma periumbilical (ao redor do umbigo) e/ou em flancos (parede lateral do abdome).

 

Dra. Luiza D. Perini é Médica, Especialista em Gastroenterologia pela Federação Brasileira de Gastroenterologia, Membro da diretoria da Acelbra-SC (Associação Brasileira dos Celíacos de Santa Catarina). Também é membro da Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva e Neurogastroenterologia, membro do Grupo de Estudos da Doença Inflamatória Intestinal do Brasil (GEDIIB) e International Member of the  merican Pancreatic Association (APA).

Contatos e solicitações de agendamento

Descreva em detalhes sua solicitação ou contato. Responderemos assim que possível através de um dos dados de contato informados abaixo.

*Campos obrigatórios

Canais de atendimento

Para fazer um agendamento de consulta, por favor utilize uma das formas de contato mostradas nesta seção.

Nosso horário de atendimento é de segunda a sexta, das 8h às 18h.

Ed. Stein Tower - Rua Mal. Floriano Peixoto, 222 Sala 1203

Centro - 88160-076
Blumenau - SC

Controle sua privacidade

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Clique em "Minhas opções" para gerenciar suas preferências de cookies.

Minhas Opções Aceito

Quem pode usar seus cookies?

×

Marketing (1)

Códigos de rastreio com intuito de coletar informações para melhorar sua experiência com anúnciosmais detalhes ›

Tag Manager

Cookies necessários (1)

São essenciais pois garantem a segurança da sua navegação e nos permitem dimensionar o volume de acessos que temos. Sem esses cookies, alguns serviços essenciais do site não podem ser fornecidos. Esse nível é o mais básico e não pode ser desativado.
Benefícios: Apenas os necessários para que o site funcione.
Exemplos: Segurança, sessão do usuário, estatística básica de acesso.mais detalhes ›

Google Analytics